segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Sucesso nos EUA, documentário faz crítica à cultura da alta performance nas escolas

HÉLIO SCHWARTSMAN ARTICULISTA DA FOLHA
Com um orçamento em torno de US$ 500 mil (R$ 835 mil), o filme já arrecadou mais
de US$ 6 milhões (R$ 10 milhões) nos EUA e conquistou um lugar entre os 20
documentários de maior sucesso da história. Fez tudo isso sendo exibido em
poucos cinemas. A maior parte da audiência estava em sessões comunitárias em
escolas e templos.
Ainda mais notável, depois que as luzes se acendiam, as pessoas não iam embora,
mas ficavam para debater o que tinham visto.
"Race to Nowhere" (corrida para lugar nenhum), da estreante Vicki Abeles,
advogada e "mãe preocupada" convertida em cineasta, é um filme sobre educação.
Mais especificamente, um filme com fortes críticas à cultura da alta performance
que impera nos subúrbios de classe média alta dos EUA.
Ao longo das últimas décadas a população endinheirada que almeja colocar seus
filhos numa universidade de elite cresceu mais do que a oferta de vagas nessas
instituições. O resultado é uma competição cada vez mais acirrada, na qual até
conceitos "A" tirados na 3ª série contam pontos e atividades extracurriculares
como chinês e futebol podem fazer a diferença entre Harvard e uma faculdade
"menor".
Muitos não aguentam tanta pressão. É esse lado menos brilhante da cultura da
alta performance que o filme procura mostrar. E o faz interpolando comentários
de especialistas a depoimentos de alunos que desenvolveram doenças
psicossomáticas, abandonaram o curso, envolveram-se com drogas, aprenderam a
colar nas provas. Há até a história de uma garota de 13 anos que se suicidou
após fracassar num teste de matemática.
De um modo geral, tudo está bem encadeado e o documentário levanta várias
questões importantes, algumas das quais valem não apenas para os EUA como também
para o Brasil.
Será que não estamos impondo uma agenda muito apertada para nossos filhos? A
questão do excesso de compromissos infantis, pelo menos nos estratos mais
abastados, é um universal. A rotina típica inclui escola, curso de idiomas,
atividade esportiva. Para os mais velhos, um pouco de voluntariado. No caso das
grandes cidades brasileiras, ainda é preciso acrescentar o tempo perdido no
trânsito.
Tudo isso é importante, mas o mesmo pode ser dito de ter algum tempo livre, até
para que o cérebro possa processar o "input" que recebe.
PROVAS
Outro ponto relevante é o que o filme chama de excesso de provas. Não há dúvida
de que é fundamental conseguir medidas tão objetivas quanto possível do
desempenho de crianças, professores e escolas. Sem distinguir o que funciona do
que não, é impossível melhorar.
Quando a avaliação se torna o ponto central da vida escolar, porém, surgem
efeitos colaterais difíceis de lidar, como a cultura da "cola" e o estresse
precoce experimentado por certas crianças.
Um capítulo à parte, mas que não vale tanto para o Brasil é o da lição de casa.
Nos EUA, além de uma jornada escolar de sete horas, não raro seguida por três ou
quatro horas de atividades extracurriculares, as escolas costumam exigir grande
volume de leituras e tarefas para casa. Muitas vezes, um jovem no ensino médio
precisa dedicar a elas mais três ou quatro horas diárias, que podem avançar
madrugada adentro.
A carga parece tanto mais exagerada quando se considera que os testes
comparativos internacionais mostram que não há uma correlação importante entre
quantidade de lição de casa e desempenho acadêmico. Por essas e outras já há,
nos EUA, um grupo de interesse voltado a acabar com a lição. Sua presidente é um
dos personagens do documentário.
VIÉS DE CLASSE
Um ponto que o filme até menciona, mas ao qual talvez não dê a devida ênfase, é
que existem recortes de classe social. A maioria dos norte-americanos não vive
em subúrbios de classe média alta e, para eles, a situação é muito diferente.
Para começar, esse grande contingente populacional nem cogita entrar nas
universidades de elite. Suas ambições estão limitadas a instituições públicas e
"community colleges".
O desafio para essas pessoas não é suportar a pressão, mas conseguir concluir o
ensino médio e prosseguir mais com os estudos. É possível que, para essa
população, os testes e lições de casa tenham um impacto mais positivo do que
negativo.
Tal ponderação não tira o mérito do documentário de problematizar a cultura da
alta performance. Embora limitada a uma classe social específica, ela gera
dificuldades que precisam ser questionadas para dar lugar a aprimoramentos. E
isso vale para qualquer lugar do mundo.
Os produtores de "Race to Nowhere" não têm por ora planos de trazer o filme ao
Brasil. O DVD, entretanto, já pode ser encomendado no site do documentário:
www.racetonowhere.com.

http://www1.folha.uol.com.br/saber/862572-sucesso-nos-eua-documentario-faz-critica-a-cultura-da-alta-performance-nas-escolas.shtml